sexta-feira, 30 de maio de 2014

Reticências I



Eu estava calado, não escrevia.
Meu silêncio me deixava seguro,
De mim, nenhuma poesia.
Porque o que tenho a dizer agora
Vem de uma ilusão
perigosamente verdadeira.

Mas você tinha que me instar à palavra!...
Mas tinha que por em minha mão esta arma!...
...tinha que por esses seus olhos em mim...

Vou falar nada, porém.
Pois vai ser explosivo escrever sobre...
esse... essas...
— Não direi.
Não quero demolir nossas...
Não.
Não direi mais nada.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Fábula da onça e do cavalo

Já não temos conversa,
já não temos assunto.
Entre nós há o diálogo
entre a onça e o cavalo.

E eu não sou o cavalo
e tu não é a onça,
pois sou eu quem só leva
todos os dias os teus coices.