sábado, 26 de abril de 2014

Tão distinto...

Artista: Duy Huynh.


Você que anda só tão distinto
Não estranhe que ande só
Tão                           distante...

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Caga-sebo

          Tem certos momentos na nossa vida que a gente só quer um sinal, uma dica vinda lá do alto. E tem vezes que esses sinais vêm e às vezes é do alto mesmo! Outra noite tomei uma decisão importante e de manhã, assim que saí de casa, a primeira coisa que vi — e o raro é que foi assim beeeeem de perto — foi um passarinho pequeno do peito amarelo, parecido com um bem-te-vi.  Ele pulava piando no galho baixo em cima da minha cabeça. Humm... Uma decisão importante e um acontecimento insólito assim em sequência... Sabe o que isso quer dizer?
  
Fotografia: Thiago Cabral Correia, contista e fotógrafo, em Guaramiranga, Ceará, 2014.
             Nada. Sempre evitei sinais vindos do além. Em 2001 (e agora é que percebo que já fazem agourentos 13 anos), eu comecei a ler o conto “A cartomante” do Machado de Assis, mas parei bem na parte em que o protagonista estava prestes a subir no consultório dela. E aqui no turvo da minha memória eu espio ali do outro lado da rua aquele cara se borrando de medo diante de uma porta com adereços de cigana. Não passei daí no conto e não lembro qual foi a coincidência que me fez parar a leitura. Até hoje não sei como essa história acaba... Tem também um conto do Rubem Fonseca, intitulado “Cropomancia”. É a história de um cara que aprendeu a predizer o futuro fazendo a leitura na sua própria... Adivinha? Antes de o cara fazer o derradeiro vaticínio, também aconteceu algo que não me permitiu terminar o conto. Coincidências? Talvez. Ou talvez algum tipo de prisão de ventre literária.
          Carl Gustav Jung foi um psiquiatra suíço muito erudito que formulou um conceito muito curioso: o da sincronicidade. Ele disse: é uma "...coincidência significativa de dois ou mais acontecimentos, em que se trata de algo mais do que uma probabilidade de acasos." (Collected Works, VIII, §959). Ah, "sincronicidade" então se refere às raras (mas tão frequentes!) coincidências entre eventos não relacionados, mas que se mostram ligados de um jeito bem significativo. Vejo que isso realmente ocorre, mas em determinados momentos de nossa vida, e geralmente em momentos de decisões importantes. Eu vejo assim porque eu me pergunto: "Se a coincidência é significativa, quem é que dá o significado?"
            Então aquele passarinho só podia ser um augúrio. Um agouro não era, porque eu nunca ouvi que o diabo era tão bonitinho, nem que maldições e pragas soavam como um piado fino. O nome dele deveria me sinalizar alguma coisa... E com um pouco de pesquisa descobri que o nome do ser é Caga-sebo! Ele veste as cores do bem-te-vi (um fã talvez?), mas trina beeeeem diferente do seu ídolo. Bem, o bem-te-vi canta o que fala, ele é bem direto com a gente. Mas o que é que o Caga-sebo diz? E eu aqui duvidando que o Cão podia se fazer de bem-te-vizinho... mas com aquele nome sujo já não duvido da Sua criatividade e já não sei de mais nada.
            O que eu sei é que no passado os gregos consultavam a passagem dos pássaros para tomar suas decisões. Não ficou registrado, mas viram Aquiles olhando para cima antes de zarpar contra Troia. Homero suprimiu esses versos porque não seria muito heroico. Hoje o mundo virou do avesso e parece que são os augúrios que nos consultam depois que tomamos uma decisão. Fomos abandonados por eles, mas mal amigos que são, nos procuram quando deles já nem mais precisamos. Eu, que sou bom amigo, tento ver o lado deles: parece que se cansaram de serem sempre os culpados.
            Será que eu poderia então ler o meu futuro no sebo daquele passarinho? Melhor não, nada heroico.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Uma noite na taverna, quadro II



“Sou o sonho de tua esperança,
Tua febre que nunca descansa,
O delírio que te há de matar!...”
(“O fantasma”, Álvares de Azevedo)

            “Pois eu vos digo que os raios caem de baixo para cima!”. Aquela ideia, afirmada assim com convicção no ano de 1855 de Nosso Senhor, logo mostrava que ela não era mulher vulgar, apesar de viver de mulher da vida naquela taverna tuberculosa.
            Para B., que a ouvia escutando apenas como ela gemeria logo mais com seus tapas, porque mulher gosta de apanhar, e de pau, para B., ela só podia ser filha de macaca preta com seu dono branco, enjeitada por algum azar quando menstruou ou fugida e recomprada pelo boa pança que agora lhe enchia o copo. Um bom negócio, decerto, porque ela não era negra nem branca, mas até que branca na luz dessas lamparinas, e comer uma branca assim não é mal negócio, e ela bem que parece limpa, vê-se que tem todos os dentes. Decerto vale o quanto deve custar, e ele bem que gosta de uns cabelos não lisos e escuros... como o dela, pensou B. duro.
            O que ele não sabia é que ela jamais se esquecera de algo que ele já não mais se lembrava.
            O outro copo de B. foi ela mesma quem serviu, apertando-lhe o volume que apontava para o andar de cima onde ficavam os quartos. E para a sorte de B., ela disse nas escadas que não lhe custaria nenhum conto de réu caso ele a satisfizesse um pedido ou dois. Até três. Pois bem, até três.
            Na porta a mulher segurou sua saia para que ele ali logo não a arrancasse. Ela se colocou na cama e foi engatinhando passo a passo até a cabeceira. Repousou a cabeça sobre as dianteiras, olhando deliciosa para trás. A saia longa desenhou a curva daquela traseira erguida de cio. Era mesmo uma cadela te pedindo uma cinturada. Não senhor, os pedidos primeiro. Ele só deixou passar o contragosto porque ela já lhe trazia outro copo e aquela cicatriz naquela barriguinha plana e morena deu-lhe a impressão antiga e gostosa de sua primeira forçada numa escravinha mestiça, ela era filha de seu pai com uma negra, mas pena que num dia de chuva ela fugira, encobrindo os rastros nos encharcados da fazenda. Deve ter morrido em algum barranco, pois havia tempestade de raios e os rios subiram, nunca mais fora vista. Tomando o copo de um só bom gole, porque é assim que homem bebe, ele já estava quase mandando os três pedidos pra merda.
            “Primeiro: diga-me seu nome de família”. Disse. Ela afrouxou as calças do homem. “Segundo: abra bem os olhos e veja os meus.” Abriu. E ele a sentiu o sacando e o manipulando lisa, porque ela cuspira na mão. Agora de olhos fechados ele viu que deveras fechara um bom negócio. “Terceiro: você me acredita que um raio cai de baixo pra cima...”. Acreditou. E de olhos ainda cerrados, porque aquilo era muito bom, não testemunhou que o seu punhal lhe explodiu mandíbula acima, atravessando a língua, até fincar-se no seu céu da boca.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Mentira?

Eu não sei mentir.

Só saio de casa sem meias:
Nem meias palavras,
Nem meias verdades.

Sou direto, indiscreto,
Não sei jogar pôquer nem xadrez.

Se ponho as cartas na mesa:
Só Reis e Rainhas, ou Ás
E meus peões não se matam
Por uma rainha que vem logo atrás.

Já disse, não insistam, eu não sei mentir.