terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Minha terra de areias

Está acontecendo ultimamente:
Quando fecho os olhos, estou no alto de uma falésia.
Vejo a praia no horário do pôr do sol.
O vento vem do leste... em meu rosto.
Sei a direção, porque atrás de mim o sol desce,
O céu se avermelha,
A lua adiante se abrilhanta, sobe e cresce.

Minha terra de areias
E de águas quentes...

Por que aparece em meus olhos frios?
Se eu sempre reclamava de teu calor impassível, e de tuas águas salobras, e de teu povo endurecido?
Queimo minha língua por todas as vezes que te maldisse.
Mas como é bom que eu estava enganado
Quando havia dito que a tua falta não sentiria...

Pois bem, estou aqui,
Querendo te sentir ao meu redor.